Perguntas Frequentes

 

É um Modelo de Gestão Organizacional que enaltece a análise antes da ação. Assim, todas as atividades são realizadas de maneira consciente, tem objetivos claros e resultados avaliados periodicamente.

A Gestão Estratégica administra a organização com ferramentas capazes de avaliar a situação das organizações, desenvolver ações sistemáticas corretivas, elaborar projetos estratégicos, acompanhar os passos de implementação e de medir o desempenho.

A estratégia é, muitas vezes, tida como ferramenta exclisiva do jogo competitivo imposto pelo mercado produtivo. Esta é uma visão equivocada, ao contrário, a tão discutida "efetividade" no setor público passa, exatamente, pela Gestão Estratégica.

Quando coloca à análise frente à ação, a Estratégia, evita soluções paliativas, consequências imprevistas, deperdício de recursos e falta de credibilidade com novas soluções.

No caso específico do Tribunal de Justiça de Roraima a Gestão Estratégica é responsável por aperfeiçoar e modernizar os serviços judiciais constantemente, levando à excelência dos serviços prestados.

É a principal ferramenta da Gestão Estratégica. Nele se define a Identidade da Organização – por meio de sua Missão, Visão e de seus valores – seu Diagnóstico e o Plano de Ação – com objetivos, metas, indicadores e ações estratégicas bem definidas.

Todo Planejamento Estratégico deve ter longo alcance, deve ser flexível e coerente com cada realidade institucional e deve possibilitar alinhamentos e ajustes sempre que necessário. Essas são atitudes essenciais para o seu sucesso.

A missão consiste numa declaração que identifica a razão de ser da instituição. Corresponde ao que se propõe a fazer e para quem. É, principalmente, um instrumento de comunicação com a sociedade.

A visão reflete um conjunto de intenções e aspirações, que sinalizam como a organização pretende ser vista no futuro. É, em suma, a representação do que a organização quer ser.

Os valores são princípios, crenças, costumes e ideias norteadoras das ações e condutas da instituição, determinando como agir para realizar a visão e executar a missão.

Objetivos são resultados almejados para o desenvolvimento organizacional, ao passo que, as metas consistem na indicação de quantidade e tempo para este resultado, enquanto as ações estratégicas são as atitudes necessárias para o alcance dos objetivos e metas preestabelecidos.

Assim, os objetivos respondem “por que agir?”; as metas respondem “quando e quanto agir?” e as ações estratégicas respondem “como agir?”.

A partir da edição da Resolução n.º 70, de 18 de março de 2009, que dispõe sobre o Planejamento Estratégico no âmbito do Poder Judiciário, todos os órgãos do judiciário brasileiro voltaram-se para uma mudança profunda na maneira de planejar e gerenciar suas ações. Desta forma, com o objetivo de atender as determinações emanadas pelo Conselho Nacional de Justiça, esta Corte adequou-se a esse novo cenário, editando o Plano Diretor 2010/2014, por meio da Resolução TP n.º 26, de 16 de dezembro de 2009.

Resolução 70 do CNJ – Dispõe sobre o Planejamento e a Gestão Estratégica no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências.

Resolução 76 do CNJ – Dispõe sobre os princípios do Sistema de Estatística do Poder Judiciário, estabelece seus indicadores, fixa prazos, determina penalidades e dá outras providências.

Resolução 79 do CNJ – Dispõe sobre a transparência na divulgação das atividades do Poder Judiciário brasileiro e dá outras providências.

Resolução TP n.º 26 – Dispõe sobre a Estratégia do Tribunal de Justiça de Roraima.

::. Mapa Estratégico

::. Plano Estratégico de Tecnologia da Informação – PETI

::. Plano de Trabalho – PDTI

::. Plano de Aquisições

::. Plano de Gestão 2017-2019

::. Planos de Unidades

::. Plano Estratégio 2015-2020