TJRR disponibiliza pontos de coleta para doação de papel

A iniciativa visa receber papéis que já foram usados em empresas e instituições com impressões ou rascunho e iriam para no lixo, mas que pode beneficiar entidades que trabalham com reciclagem

 

 

 

 

A cada dia, com o processo de digitalização, o TJRR (Tribunal de Justiça de Roraima) elimina cada vez mais o uso do papel. Mas com isso, também vão ficando para trás aqueles documentos físicos que se transformam em digitais. Assim, visando descartar de maneira adequada os resíduos que estão sendo gerados com o trabalho de digitalização, o tribunal, por meio da SGE (Secretaria de Gestão Estratégica) deu início nesta segunda-feira, dia 8, a ação de coleta de papel nas diversas unidades do judiciário na Capital.

 

Segundo a secretária de Gestão Estratégica, Inaiara Sá, a iniciativa surgiu na 1a Vara do Juri, que solicitou um projeto de recolhimento de papel já utilizado, pois com a entrada do processo eletrônico, foi iniciada uma reorganização na unidade judicial, onde um grande volume de papel foi retirado, demanda um descarte adequado para evitar acúmulo de lixo no meio ambiente.

Leia mais:TJRR disponibiliza pontos de coleta para doação de papel

DIA MUNDIAL DA ÁGUA - Fórum Criminal realiza captação de água da chuva

Uma caixa de 100 mil litros armazena e distribui a água para uso nos banheiros da unidade do Tribunal de Justiça de Roraima.

 

O prédio foi construído já com o projeto de reutilização da água da chuva e realiza a atividade desde o início das atividades em 2016

 

Economizar para não deixar faltar. Essa expressão é cada vez mais comum quando se trata de um dos bens considerados mais preciosos que temos: a água. Hoje, dia 22 de março é celebrado o Dia Mundial da Água e o Fórum Criminal Ministro Evandro Lins e Silva, do TJRR (Tribunal de Justiça de Roraima), pode ser considerado um dos exemplos em Roraima, em matéria de conservação deste recurso natural.

Leia mais:DIA MUNDIAL DA ÁGUA - Fórum Criminal realiza captação de água da chuva

Fórum Criminal economiza até 10% de energia elétrica com consumo consciente

Lembretes com mensagens voltadas para a economia e sustentabilidade, fixados acima dos interruptores, estão espalhados por todo o prédio

 

O uso correto de recursos naturais tem se tornado uma preocupação mundial. Foi pensando de forma sustentável, que o administrador do Fórum Criminal do TJRR (Tribunal de Justiça de Roraima), Vilton Flor, teve a ideia de promover no local de trabalho, o uso consciente da energia elétrica.

“Atitudes simples como apagar a luz e desligar o ar-condicionado ao sair da sala, não manter computadores ligados sem necessidade, geram uma economia significativa ao final do mês. E temos trabalhado diariamente para estimular cada vez mais servidores e colaboradores a somar com a causa”, explicou.

 

O prédio está localizado no bairro Caranã e desde a inauguração em 2016 é realizado um acompanhamento do consumo de energia. Segundo Flor, o gasto mensal com eletricidade nos anos de 2017 e 2018, teve uma redução de quase R$ 3 mil, um saldo de R$ 35 mil em 12 meses. Ele detalhou ainda que essa diminuição é reflexo de algumas medidas de eficiência energética adotadas, entre elas, abrir as cortinas para aproveitar a luz solar, minimizando o uso da iluminação artificial.

As luzes dos corredores também ganharam atenção especial. “Foi solicitado o desligamento de duas lâmpadas, uma vez que este espaço é bastante iluminado, devido à presença da claraboia”, comentou, destacando que os usuários também são instruídos quanto ao uso correto dos elevadores.

“Existem dois elevadores com capacidade para oito e 14 pessoas respectivamente. Então, o que fazemos é orientar a não solicitar os dois ao mesmo tempo e evitar, quando em menor número, utilizar o de capacidade inferior. Pois tudo isso reflete no consumo”, esclareceu.

 

Por meio de um programa instalado no computador que ele usa, o administrador consegue controlar de forma remota os aparelhos de ar-condicionado do prédio. “Esta ferramenta ajuda bastante na busca pela economia, já que consigo visualizar os aparelhos ligados fora do horário de trabalho e assim, desligá-los à distância”, comentou.

Raissa Pinto, uma das servidoras que trabalha no Fórum Criminal, considera importante a iniciativa. “Além de evitar gastos desnecessários, ainda ajuda o meio ambiente. São atitudes que eu já pratico dentro de casa e é gratificante ver isso sendo feito no ambiente de trabalho também”, declarou.

O prédio que possui quatro pavimentos e abriga as Varas Criminais do Tribunal de Justiça de Roraima. No local, trabalham mais de 200 pessoas, entre estagiários, servidores e colaboradores.