Poder Judiciário fortalece ação ambiental nos rios

Atendendo aos princípios de sustentabilidade ambiental, que constam no Plano Estratégico do TJRR, voluntários da Justiça Estadual passaram a colaborar com o programa Caer nos Rios

 

Fotos: Antônio Diniz

Na edição do Caer nos Rios deste domingo, dia 26, meia tonelada de lixo foi retirada das águas 


Atenta à necessidade de conservação ambiental para a garantia dos recursos naturais para as atuais e futuras gerações, a atual gestão do TJRR (Tribunal de Justiça de Roraima) firmou parceria com a Caer (Companhia de Águas e Esgotos de Roraima) e passou a realizar mais uma ação ambiental dentre as muitas que já desenvolve.

 

Voluntários do Poder Judiciário agora integram as equipes de limpeza dos rios do programa Caer nos Rios, com atividades realizadas a cada três meses nos mananciais de Roraima. Na edição deste domingo, dia 26, os servidores do tribunal colaboraram com a retirada de meia tonelada de lixo dos rios.

 

A secretária de Gestão Estratégica da instituição, Inaiara Sá, explicou que o TJRR já possui no Planejamento Estratégico - que serve para traçar diretrizes e ações a serem executadas dentro do Poder Judiciário - metas alinhadas aos Objetivos do Milênio, que visam uma atuação voltada aos conceitos de sustentabilidade ambiental.

Segundo ela, a cada ano as ações de sustentabilidade, que é um dos valores institucionais do Poder Judiciário de Roraima, são ampliadas. Atualmente, o tribunal já tem captação da água da chuva no Fórum Criminal; promove o reaproveitamento do pouco papel que ainda é utilizado dentro de cada unidade da Justiça, pois praticamente todos os processos judiciais e administrativos do judiciário são realizados dentro de um sistema eletrônico; e um trabalho de reconhecimento de pilhas e baterias está sendo iniciado.

“Mas o que queremos é ser sustentáveis não só dentro do tribunal. Queremos contribuir também com o estado, pois sabemos da importância do aumento dessas ações. Assim, atentos a essas necessidades, buscamos sempre parcerias para fortalecer esse trabalho de conservação ambiental em Roraima, como por exemplo, essa limpeza nos rios que abastecem nossa Capital”, comentou.

A chefe do Núcleo de Meio Ambiente da companhia, Airlene Carvalho, destacou a importância da contribuição dos voluntários do Tribunal de Justiça para a ampliação do programa Caer nos Rios, que já está na 21a edição.

 

“Já sabemos do trabalho que o tribunal desenvolve com os resíduos sólidos e do incentivo que promove para a sustentabilidade ambiental; e essa parceria só vem para fortalecer nosso trabalho, que pode receber colaboração de todas as instituições e entidades que tenham vontade de participar, além de cidadãos em geral da sociedade. O Caer no Rios é aberto ao voluntariado, e quem quiser também nossa contribuição em ações ambientais basta nos convidar. A intenção é reduzir ao máximo o volume de plástico e outros resíduos que contaminam nossas águas e animais que vivem nelas”, ressaltou.

A servidora do TJRR, Jô Evangelista, uma das voluntárias que se juntou ao programa por meio da parceria institucional, afirmou ser gratificante poder ter a oportunidade de contribuir também com essa ação. “Na minha casa eu já desenvolvo algumas ações pautadas na sustentabilidade ambiental, e poder fazer mais é uma satisfação. E esse tipo de parceria pode ajudar a estimular muitas outras instituições a participarem e fortalecerem as ações, que são de extrema importância para todo o estado”, declarou.

SEMANA DO MEIO AMBIENTE - A secretária de Gestão Estratégica do TJRR, Inaiara Sá, informou também que esta parceria faz parte das ações programadas para a Semana do Meio Ambiente do Poder Judiciário, que será promovida de 3 a 7 de junho.

 

“Além do pontapé inicial com esta parceria com a Caer, já temos programado também a produção de hortas nas unidades do TJRR, visando estimular esse tipo de ação mais sustentável entre os servidores, distribuição de mudas para o incentivo ao plantio de árvores e uma palestra sobre conservação ambiental”, adiantou, lembrando ainda que antes disso o tribunal vai iniciar uma campanha para o recolhimento de pilhas e baterias, visando evitar a contaminação de solos e lençóis freático.